CHO garante que não tem carência de bens para o “regular funcionamento”